“Quem foi Charlotte Mason” por Anne White



Charlotte Mason acreditava que as crianças eram capazes de lidar com ideias e conhecimento; que não eram folhas em branco ou sacos vazios, para serem preenchidas com informações.

Ela acreditava que as crianças deveriam fazer o trabalho de lidar com idéias e conhecimentos, em vez de o professor atuando como mediador, dispensar conhecimento filtrado. A educação de Charlotte Mason inclui primeiramente a exposição a grandes e nobres idéias através de livros em cada disciplina escolar, e através da arte, música e poesia.

O conhecimento de Deus, tal como se encontra na Bíblia, é o conhecimento primário e o mais importante. A história é ensinada cronologicamente, usando livros de história bem escritos, documentos originais e biografias. A literatura é ensinada juntamente com a história, usando livros que tratam aproximadamente do mesmo período de tempo. As habilidades da linguagem são aprendidas através da narração, que consiste na criança narrando uma história, primeiro oralmente, e mais tarde por escrito. Por cópia, ou transcrição de uma literatura bem escrita; e ditado de passagens de seus livros. A memorização era usada por Charlotte Mason, não tanto para assimilar fatos, mas para dar aos filhos materiais para meditar ou “mastigar”, então seus alunos memorizavam as Escrituras e poesias.

A ciência nos primeiros anos destaca o estudo da natureza com ênfase na observação focada da criação como meio para o conhecimento de Deus. Charlotte Mason era muito entusiasmada com a ciência. Ela sentia que todas as coisas novas que as pessoas estavam descobrindo em sua vida faziam parte da revelação de Deus (incluindo a teoria da evolução que foi aceita por muitos cristãos na época)¹. Os cristãos que usam seus métodos agora, podem se identificar com sua ênfase em estimular a curiosidade e um sentimento de admiração, embora a maioria faça isso a partir do ponto de vista criacionista e não evolutivo.

Existe uma certa sobreposição entre Charlotte Mason e educação clássica, especialmente nos anos superiores; mas também há diferenças nos métodos e pontos de vista. O método Charlotte não é unschooling, embora use alguns métodos de ensino informais e incentive uma quantidade razoável de tempo livre, especialmente ao ar livre. Não é uma abordagem de ensino tradicional (back-to-basic)², embora o básico não seja negligenciado, apenas ensinado de diferentes maneiras. E não é o método de estudo unitário* (Unit Study Method), embora os estudos de história e literatura sejam combinados.

Um cronograma de Charlotte Mason apresentaria lições curtas (10 a 20 minutos por assunto para as crianças mais novas, mais para os mais velhos) com ênfase na perfeita execução e na atenção focada, ou seja, pensando em um problema de matemática desafiador, olhando atentamente para uma pintura e depois descrevendo-a, copiando apenas algumas palavras com cuidado, ou ouvindo um breve trecho bíblico e dizendo isso de volta. O treinamento do hábito é enfatizado desde uma idade jovem; as crianças aprendem o significado do lema da escola Charlotte Mason “Eu sou, eu posso, eu devo, eu vou”. Não há estrelas ou troféus, e a concorrência com outros é desencorajada, cada criança é simplesmente encorajada a fazer o seu melhor em tudo.

¹As autoras do blog não são evolucionistas.

² Back-to-basic e Unit Study Method são métodos de educação.

Reproduzido e traduzido de Ambleside

Tradução: Mariane Bessa

#Biografia #FilosofiadeEducação #Método

0 visualização